segunda-feira, 20 de julho de 2020

Cama de casal...sem casal

Há cerca de uma semana um amigo, recém separado, estava conversando comigo sobre casamento. Eu lhe disse que não quero me casar, mas adoraria ter a festa, a cerimônia. "Posso ficar só com a parte boa, onde a história termina com o 'E foram felizes para sempre'? Depois da festa pode cada um ir para sua casa?", eu perguntei. Ele estranhou, mas percebi um brilho nos olhos.

Certa vez, não faz muito tempo, ouvi (não lembro onde e muito menos de quem) que a cama de casal foi uma invenção maravilhosa. O erro foi quando resolvemos colocar duas pessoas para dormirem nela. Achei isso fantástico. E sei que muita gente vai ficar horrorizada com o primeiro e este segundo parágrafos, mas também sei que, lá no fundo, concordam comigo, assim como esse amigo que, certamente saiu daqui de casa com um outro olhar para o casamento.

Sou filha de pais separados; eu tinha apenas 9 anos quando isso aconteceu, então para mim é super natural ter duas casas e pais que nunca brigam. E já está mais do que provado que a convivência transforma tudo: a amizade em amor, e o amor em amizade. Eu já passei por isso, já percorri os dois sentidos desta transformação de sentimento. E não tem problema algum. Problema tem quando nos forçamos a acreditar que casar, dividir banheiro, cama, ter filhos é regra para ser feliz. Eu descobri a minha felicidade numa cama de casal vazia. Não é que eu não goste de namorar, dormir de conchinha. Eu adoro (inclusive a aba A DONA DA CASA diz exatamente isso). Sou uma ogra carinhosa, alguns dizem. Mas eu amo o meu espaço, eu amo a minha própria companhia. Eu adoro sentir saudade e depois ficar grudada para matar a saudade de dias sem ver o outro. O gostoso de um relacionamento é a novidade, o frio na barriga, o coração acelerado. Casadas e casados, quantos de vocês ainda sentem isso? 

Quando a jogadora de basquete Hortência anunciou seu casamento, mas que moraria em outra casa o Brasil estranhou. Ok, anos 90, século passado. Hoje isso pode ser normal. Eu continuo querendo o vestido de noiva (com bolsos da Morena Andrade Atelier), a cerimônia (longe de igrejas) e a festa de casamento bem informal para celebrar a união. Eu continuo querendo o Felizes para Sempre. A diferença é que eu resolvi admitir para mim que esse Felizes para Sempre não tem a menor chance na minha vida se eu tiver que dividir o meu espaço, a minha cama 24x7. Todo ser humano precisa de espaço, precisa de um tempo consigo somente. Poucos admitem. Muitos casamentos sobrevivem. Eu prefiro um casamento que vive; prefiro viver uma vida a dois cheia de emoção, de frio na barriga, coração acelerado e saudade sendo matada num dia qualquer. Muita loucura? Muita modernidade? Diz aí!

OBS: texto antigo, escrito lá em 2015, mas sempre atual. Clica aqui para (re)ler!


4 comentários:

  1. Realmente um "casamento " assim nao tem brigas, pois os encontros são só grandes emoções kkkk. Conheço algumas pessoas que se casaram e cada um vivia em uma casa e o casamento durou 20 e poucos anos até que o marido faleceu. Conheço outro que moram na mesma casa maa em quartos separados e se adoram, qdo querem namorar um vai p o quarto do outro kkk . Ah e tem um casal que conheço que moram na mesma casa; dormem no mesmo quarto mas em camas separadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que os casais que moram juntos, mas dormem em quartos ou camas separados apenas não gostam de dormir com outra pessoa. Não é exatamente o caso aqui exposto, onde me refiro a dividir o espaço, a rotina dentro de casa o tempo todo.

      Já conheci ex-casais que moravam juntos, mais por uma questão financeira. Mesmo assim, funcionava bem, porque tinham uma boa relação de amizade.

      Excluir
  2. Respeito todos os tipos das situações citadas acima, só que pra mim não daria certo. Gosto de viver um relacionamento vivendo o dia a dia ao lado da pessoa amada. Comigo está dando certo a 35 anos. Não sei se daria certo de outra forma, pra mim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa! Muito feliz em saber que está casado há 35 anos. Raridade nos tempos de hoje. É preciso amor, mas também muita compreensão para manter um casamento por tantos anos, afinal nem todos os dias são flores né? hehehe

      Cada pessoa funciona de uma forma, tem uma necessidade. Sei que eu sou um ponto fora da curva nessa história de casamento; que muitas pessoas ainda preferem o jeito tradicional. São casos e casos. Cada um tem seu estilo e é bom quando encontramos um (a) parceiro (a) que combina com o nosso estilo, não é mesmo?!

      Felicidades ao casal! =) E obrigada por compartilhar a sua experiência conosco.

      Excluir