domingo, 10 de junho de 2018

Boate para quê?


A última semana foi bem difícil para mim e se me perguntar o motivo não saberei dizer. Somente foi muito difícil acordar, levantar e viver. Cheguei atrasada no trabalho quase todos os dias; faltei duas vezes, fiquei prostrada no meu cafofo todo fechado (por causa do frio) vendo filmes e comendo. Acho que engordei uns 5kg. 

O remédio da cabeça está em dia, o da enxaqueca também, mesmo assim a deprê bateu e bateu forte. Foram duas garrafas de vinho sozinha, pois nem amigos eu queria por perto, até que...

Minha mãe, sentindo que tinha alguma coisa muito estranha, resolveu aparecer aqui em casa no último fim de semana com minha sobrinha de 11 anos. Não fizemos nada além de papear, rir e cozinhar (por falar nisso, como elas vieram de surpresa, a comida foi montada na hora. Uma lasanha de berinjela que quarta-feira você poderá conferir aqui o passo-a-passo para essas horas de "não descongelei nada"). Como eu ia dizendo, foi uma visita de sopetão para se certificar que coração de mãe não erra e a filha realmente precisava de ajuda. Uma visita simples, mas que levantou meu astral. As poucas horas que passaram aqui em casa me deram novo ânimo, me ajudaram a ajudar.

Mais tarde, uma amiga (que tentou falar comigo durante a semana toda) me contou que não estava bem: problemas no relacionamento amoroso. Assim como minha mãe fez, apareci na casa dela de última hora. Percorri 19 km à noite com uma garrafa de vinho na sacola (não sou alcoólica, mas precisava levar alguma coisa, já que era a primeira vez que visitaria sua casa) e cheguei chegando. Entre desabafos, conselhos e goles, outra amiga apareceu, tiramos selfies e rimos, rimos alto. Mas tão alto que várias pessoas que moram no mesmo terreno dessa amiga apareceram para saber o que estava acontecendo, o motivo de tanta alegria. 

Ela precisava de mim, eu precisava dela. Nos reerguermos sem gastar dinheiro, sem litros de cachaça ou RedBull, sem som alto e homens chatos e bêbados perturbando nossa noite. Porque quem gosta de boate é adolescente. Adulto gosta mesmo é de uma boa conversa entre amigos no sofá de casa. E isso sim faz milagres. ;)




Um comentário:

  1. Linda como sempre. Mãe sente quando as coisas não vão bem com suas filhas, prova disso foi a sua aparecer sem convite e pronta para levantar o seu astral. O que fez com que você também fosse levantar o astral de uma amiga. É isso aí, um ajudando o outro a ficar bem. Receber e dar AMOR. Isso é o que importa. Viva querida, muito feliz sempre. Cabeça erguida e bola pra frente. Beijos no coração e fique com DEUS.

    ResponderExcluir