segunda-feira, 24 de abril de 2017

Assédio até na mudança

No texto anunciando a mudança de casa havia citado que até mesmo assédio sexual havia sofrido. Então, volto aqui para falar melhor sobre isso e alertar a todos e todas sobre esse risco. 

Após a assinatura do contrato é normal começar o corre-corre atrás de transportadora para levar todas as nossas tralhas. Foi aí o problema. Entrei em contato via e-mail e formulário com diversas empresas que fazem mudanças, para orçar a minha. Apesar de informar apenas o básico para o serviço (quantidade e tipo de móveis, pontos de partida e chegada, data da mudança, se tem ou não elevador, se é casa ou edifício, andar etc.) também temos que informar, claro, nome, e-mail e telefone para que as empresas entrem em contato.

Um dia após solicitar o orçamento a umas cinco empresas, um homem ligou para o celular com o número restrito (quando o identificador de chamadas não mostra o número). Disse algumas barbaridades em poucos segundos de ligação, pois imediatamente eu desliguei. Não satisfeita, a criatura ligou usando o WhatsApp. Grande burrice da pessoa, pois foi nesse momento que a foto dele apareceu para mim. Como eu sequer atendi esta chamada, ele mandou um SMS me xingando. 

- Mas de onde surgiu essa pessoa? - me perguntei.

Lembrei que na noite anterior havia informado meu telefone a pessoas desconhecidas, ou melhor, a empresas, mas que são gerenciadas por...pessoas. Liguei uma coisa à outra e resolvi agir. Enviei e-mail a todas as empresas de forma coletiva comunicando o fato, caracterizando-o como crime de assédio sexual. Junto à mensagem, anexei a foto da criatura. Algumas horas depois comecei a receber retorno por e-mail dizendo que a pessoa não era funcionário da empresa e que, sim, eu agi corretamente ao notificar as empresas sobre o ocorrido. 

Caso as ligações e as mensagens continuassem, teria reportado isso à Policia. 

Então é isso. Tenha bastante cuidado ao contatar empresas para qualquer coisa (telar janelas, fechar varandas, transportar móveis, dedetizar o imóvel etc.). Tudo que permitir várias pessoas ter acesso ao seu endereço ou telefone pode ser um risco; logo é melhor se precaver. Ou seja, no caso de precisar passar o endereço, nunca informe-o todo. Se for apartamento, não diga o número do apê. Se for casa, diga "próximo ao número X" e, neste caso, deixe o telefone como forma de contato. Ah! E se seu celular ainda não tem um aplicativo que grava ligações, instale-o. Ajuda bastante para registros de ocorrências. Além disso, manter o histórico de trocas de mensagens, seja por e-mail, SMS, Facebook ou WhatsApp é sempre bom (pelo mesmo motivo).

#FicaAdica


*Imagem: Canal da Haru

2 comentários:

  1. Realmente um total sem noção. Não estamos livres de coisas desse tipo, nem quando estamos precisando de algum tipo de serviço. Ninguém merece. Muito boa sua dica. Gostei. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fica a dica para as mulheres não aceitarem como "normal" esse ou qualquer outro tipo de assédio.

      Excluir