terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Carnaval no Hell de Janeiro

Tá quente, tá muito quente. Está tão quente que tenho a ligeira impressão que o astro rei está se derretendo e seus pedaços caindo sobre a cidade onde moro. Aqui virou Hell de Janeiro. Como curtir o Carnaval com o asfalto fritando ovo às 8 horas da matina? A sensação térmica de hoje chegou a 47,6°C. Sabe o que isso significa? Conta de energia triplicada no próximo mês, porque euzinha não consegui sair do meu quarto (único lugar da casa que tem ar-condicionado). E além do ar, liguei ao mesmo tempo o ventilador e fiz desse cômodo a minha casa. Saí apenas para fazer necessidades fisiológicas. O próximo apê precisa ter suíte. Fato!

Mas por que este texto num blog sobre Morar Sozinha? Você deve estar se perguntando. Simples: como sair de dentro da sua casinha com a sensação térmica que mais lembra a casa daquele que você sabe o nome? Como enfrentar transporte público lotado para ir atrás de blocos? Como ficar em blocos de rua? É muito calor! É muita gente! Eu já disse que é muito calor?

Confesso que sou uma carioca avessa à folia, mas este ano tinha decidido ir a blocos em dois dias. Só consegui sair de casa no sábado. Não pelo perrengue de levar quatro horas para percorrer menos de 30 quilômetros. Não por ter ido parar num bloco gay (foi bem divertido e eu não queria pegar ninguém mesmo). Foi o calor que não me deixou sair de casa. Já passam de 7 horas da noite e eu ainda estou me sentindo num forno pré-aquecido a 200°C. 

Mas eu tive a sorte de não trabalhar nesses quatro dias de Carnaval; não podia desperdiçar isso. Praia? Nem se um sheik viesse de helicóptero me buscar. Aproveitei o meu Carnaval em casa, sem barulho, sem asfalto fervendo, sem banho de espuma (ok. Até queria esse banho, mas não tenho banheira no meu banheiro minúsculo). Se eu tivesse a quarta-feira de cinzas livre colocaria a série em dia. Ah! Esqueci de contar: minha polefriend me indicou a séria Orange is the new black. Estou viciada a ponto de estar na metade da segunda temporada em apenas dois dias de Netflix. Algumas pessoas podem dizer que é série de lésbicas, mas eu curti e não ligo para os estereótipos. A história é de uma branquela patricinha "ex-lésbica" que vai parar em uma penitenciária federal por um crime que cometeu há 10 anos. A cadeia transforma as pessoas. Cada episódio uma surpresa com a Piper (protagonista). Essa amiga também me indicou GoT, mas não sigo modinhas e prefiro me viciar em séries menos populares. Tá legal, sou estranha. Assim que eu conseguir terminar a terceira temporada (última até o momento), vou me viciar em Narcos (capitão Nascimento é elite) e em Modern Family (indicação de outra amiga). 

É isso! O Carnaval para os diferentes pode ser legal também: conhecer seriados, colocar outros em dia, engordar uns 5kg (como deve ter acontecido comigo), organizar o orçamento também é legal para sair do vermelho, já que a conta de energia vai ser bem alta no mês seguinte, treinar seu esporte favorito (confesso que nem peguei no pole de tão quente que estava aquela barra de ferro) e até colocar o sono em dia (dormir 10 horas por noite é vida). 

Que venha o próximo Carnaval - sem plantões. =D

Informações oficiais da Prefeitura informando que a cidade faz fronteira com o inferno.

Com esse calor, a única coisa que consegui comer foi isso e muito Matte.

Tá legal, um diazinho eu fui atrás de bloco e ainda dei uma de louca
me pendurando na placa de trânsito.

A Nina também curtiu o Carnaval em casa. =)

Nenhum comentário:

Postar um comentário