segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Pense bem

Tenho visto com bastante frequência pessoas que resolvem sair da casa dos pais, alugam um apê e pouco tempo depois (no máximo um ano) retornam ao ninho. O motivo é sempre o mesmo: grana. Vamos aproveitar que mais um ano vai começar em poucos dias (e ano novo sempre é uma chance de renovação, novas metas e tal) para voltar a este assunto aqui, relembrando que planejamento é a parte mais importante de quem deseja morar sozinho, ou dividir um apê com amigos. Se não tiver planejamento, o sonho da independência vai por água abaixo.

Primeiro de tudo: a casa dos seus pais realmente ficou insuportável? Essa é a pergunta que precisa ser feita em tempos de crise econômica. Tudo está mais caro, seu poder de compra diminuiu por causa da inflação altíssima e as tarefas do lar vão tomar seu precioso tempo de balada ou de estudos. Sendo assim, lembre com carinho da mordomia (ainda que pouca) que você tem na casa dos pais. Duvido que lá seja você o responsável por pagar todas as contas e manter o lugar em ordem lavando, passando, cozinhando...

A segunda questão também tem a ver com dindin, afinal tempo é dinheiro. Como eu sempre digo aqui, no apartamento da minha mãe eu tinha "serviço de quarto completo". Até café na cama eu ganhava. Ela colocava as roupas na máquina e eu, no máximo, pendurava no varal. Todos os dias tinha comida fresquinha. Pizza era somente nos fins de semana. Na minha casa é o inverso. Isso porque eu não tenho uma coisa muito preciosa: TEMPO. Saio de casa cedo todos os dias e chego muito tarde. Agora, estudando para outro concurso, até meus fins de semana estão tomados da manhã até a noite. Em qual momento eu limpo a casa? Quando eu vou ter ânimo para cozinhar? Se eu não colocar as roupas sujas na máquina, elas não vão caminhando até lá. Mas cada segundo livre quero descansar (ou estudar mais para o concurso). Então, pense bem se este é o momento de abrir mão do seu lazer, dos estudos e projetos somente porque você quer morar sozinho.

E mais uma vez eu digo: as contas chegam todos os meses. Nesse verão do capeta, a conta de energia elétrica não vai vir com menos de três dígitos. Se liga nisso! No mínimo, tem água (ainda que dividida com os outros moradores do condomínio), gás, luz (cuidado com o gato!), aluguel e/ou condomínio, telefone (até o celular pré-pago tem uma despesa mensal para manter a internet funcionando) e, se quiser fazer uma graça, ainda tem que pagar a TV por assinatura e a internet banda larga. Isso sem falar na diarista, que você vai querer contratar nem que seja uma vez por mês, e as compras de mercado, porque ninguém vive de luz. Seu salário dá? Realmente dá? Ou vai viver achando que o cheque especial faz parte do seu salário e que o pagamento mínimo do cartão de crédito é o total da fatura?

Meu povo querido, não esquece que sair da casa dos pais também implica em comprar móveis e utensílios para a sobrevivência de um ser humano (cama, fogão, geladeira, ventilador - no Hell de Janeiro precisamos de ar-condicionado mexxxxxxxmo - TV e lâmpadas para não ficar no escuro). Isso mencionando o básico do básico. Afinal, uma casa de verdade pede muito mais que essa listinha fajuta.

As pessoas que vi voltando para as casas de seus pais disseram a mesma coisa: "o aluguel estava muito caro" OU "meu salário não estava dando pra pagar tudo sozinho". Coloque tudo na ponta do lápis antes de pisar fora do ninho. Ainda que as despesas sejam divididas com algum amigo que tenha o mesmo sonho de independência, é preciso pensar: "se ele cair fora eu consigo me manter sozinho?" Já vi pessoas deixando na mão seus "colegas de quarto" porque sentiram falta do conforto da casa da mamãe e isso impactou na vida daquela pessoa que contava com a divisão das despesas para se manter no imóvel que alugaram. Tremenda sacanagem! Então, até essa possibilidade de "abandono" é preciso considerar. 

A ideia de morar sozinho ou de dividir um apê com amigos é encantadora. Mas dá um trabaaaaalho. Não quero te desanimar. Longe de mim fazer isso. Até porque, aos trancos e barrancos, ainda moro sozinha. Sinto falta de chegar em casa e encontrar tudo limpo e arrumado como por mágica, além daquela comidinha deliciosa sendo preparada. Mas foi a escolha que fiz e, por enquanto, estou conseguindo manter de boa. Minha intenção é apenas te chamar para a realidade (nem sempre tão linda) de morar sozinho. As contas vão chegar pontualmente, a casa vai ficar suja se ninguém limpar, as roupas não vão aparecer limpas e passadas no guarda-roupa por mágica e a comida...ah, a comida! Sabe aquele cheirinho gostoso que você sentia antes de abrir a porta? Pois é. Ou divide apartamento com quem sabe cozinhar (e tem disposição pra isso) ou esse cheirinho de comida caseira vai ser apenas do vizinho. 

2016 está chegando. É tempo de renovar a listinha de metas e desejos. Seja realista para que o próximo ano realmente seja maravilhoso!



domingo, 20 de dezembro de 2015

Um ano de casa própria

Há um ano entrou no ar esse blog com o objetivo de mostrar para as pessoas que morar sozinha (ou dividir apê com alguns amigos) é sim muito bom, mas tem lá seus perrengues (todos contornáveis, claro).

E como um ano de vida é sempre uma data muito especial, eu tinha pensado em sortear um presente maneiro para vocês, maaaaas a pessoa que ia fazer o tal presente furou comigo. =/ Sendo assim, não tem presente. Não chora! Vai ter. Até o carnaval sai. Juro juradinho, nem que seja outra coisa. =)

Mesmo sem sorteio, essa data não pode passar em branco. Aproveitando o aniversário do blog e o final de ano, onde tudo é retrospectiva, esse texto vai entrar no clima e apresentar os melhores perrengues e vitórias que passaram por aqui. Vem relembrar (ou conhecer) para rir e aprender!

Faz um ano que organizei uma lista de prós e contras de morar sozinha. Colocando na balança, tinham mais fatores contras. "Pense que além das contas fixas (e básicas) como água, luz, gás, condomínio e aluguel, você ainda precisa comer; pode até querer ter uma internet em casa e se dar ao luxo de assinar uma TV." Pois é, tinha muita coisa contra, mesmo assim eu decidi continuar. Vem ler >> http://migre.me/stMae

Claro que o perrengue começou antes, com a mudança sem fim. "Pra começar, nunca, jamais subestime a quantidade de coisas que você tem. É o primeiro passo pra ter a real dimensão da sua mudança." E eu resolvi dar umas dicas para o leitor não passar um mês levando móveis e bibelôs de uma casa para outra. Não se mude sem antes ler isso! >> http://migre.me/stNRM


Uma das piores coisas que pode acontecer na vida de uma mulher que mora sozinha (ou com outras mulheres) é entrar uma barata em casa. A coisa vira o capeta se for voadora. Eu passei por algo assim com minha amiga Isa quando morávamos numa república. Medo. Muito medo. Vem rir do desespero alheio! >> http://migre.me/stMiy

Gente, por que é tão difícil encontrar uma diarista minimamente boa para o serviço? "O cafofo estava limpo, porém tudo estava fora do lugar (inclusive a geladeira e o micro-ondas). Ok. Dá pra relevar. Ela não tem como gravar a posição dos objetos. Continuei a ronda e... A minha moldura favorita imitando a de Friends estava quebrada. Surtei. "Ela vai ter que pagar por isso". Meu namorido compreendeu, mas se assustou com o meu "tanto escândalo por tão pouco"." Agora vem gargalhar com o piti DELE. >> http://migre.me/stMtQ

Sempre achei que ir ao mercado era uma tarefa mega simples. Até o dia que fiz isso sozinha pela primeira vez. "Primeiro perrengue: voltar pra casa sem carro. Fui arrastando as sacolas, quase amputando um braço até chegar em casa. Eram só cinco minutos de caminhada. Nem tinha táxi pra isso. Cheguei com um palmo de língua pra fora." Não era a coisa mais simples do mundo? Só quando a gente é co-piloto da mãe ou do pai empurrando o carrinho de compras. Vem aprender! >> http://migre.me/stMzk

Eu sou daquelas que MORRE de medo de fritura, mas ama um frango frito. "Na hora da combinação óleo quente + comida eu pareço uma mulher de armadura: coloco avental, enrolo um pano de prato em cada braço, com a mão direita seguro uma espátula e na esquerda uma tampa de panela (quase como um escudo)". Uma cena ridícula, que merecia solução. Dá um confere! >> http://migre.me/stNLv

Saindo da fritura, vamos lembrar da dica saudável que passou por aqui este ano: Pole Dance. Quem segue o blog no Facebook ou no Instagram sabe que isso virou minha paixão.  "E quando digo que é uma atividade viciante é porque cada barra de ferro que vejo dá vontade de pular nela e fazer "A pose". Consegue imaginar minha agonia no metrô para não dar uma de louca? É serio!" Vem se apaixonar também e se sentir mais poderosa que a Anitta! >> http://migre.me/stO4S

Mesmo com o Pole me fazendo muito bem, tive um surto que me levou a procurar um tratamento psiquiátrico. Somos a geração Rivotril, não é mesmo? Por ser um assunto sério (e grave) resolvi falar sobre isso aqui, o que acabou rendendo muitas mensagens inbox de pessoas desconhecidas até então, me pedindo ajuda por também sofrerem (caladas) de depressão. >> http://migre.me/stOcw

E como eu sei que falta de grana pode acabar com a disposição de qualquer pessoa sair da cama, dei uma garimpada básica em Vigário Geral e descobri: lá é a fonte de decoração show de bola sem sofrimento. >> http://migre.me/stOdy

Ah! Não dá para esquecer que esse blog contou com alguns pitacos: amigas queridas que contaram suas vitórias e perrengues após saírem da casa dos pais. Vem gargalhar junto comigo! >> http://migre.me/stOiR



Decor de Natal - Ainda dá tempo

Quando é Natal na Leader, é Natal em qualquer casa carioca. Para quem não é do Rio de Janeiro, Leader é uma loja de departamentos que todo fim de ano faz a gente cantar seu jingle "Já é Natal na Leader. Já é hora. Já é tempo de aproveitaaaaar..."

Mas esse ano, eu levei um pouco mais de tempo para decorar meu apê para receber o Papai Noel. Estava esperando minha sobrinha Nyck para montar a árvore. Espera em vão, pois ela preferiu ficar no computador, enquanto eu e minha mãe decorávamos a casa. 

Sei que hoje já é dia 20 e muito provavelmente você está com a decoração pronta. Mas dicas são sempre legais né? Por isso, garimpei algumas ideais por aí. Vai que você olha para alguma coisa aqui e pensa: "por que eu não fiz isso?" Ainda dá tempo. Natal mesmo só é dia 25. Levando em conta que começamos a comemoração no dia 24, ainda temos alguns dias para soltar a criatividade. Dá uma conferida nas coisas bacanas, simples e práticas que selecionei para dar um toque especial na decoração com o que temos em casa!

Quem disse que você precisa pagar uma fortuna para ter uma árvore de Natal? Criatividade
é tudo de bom. 

Foto é sempre uma ótima maneira de decorar a casa. Estas penduradas no pisca-pisca deram um charme a esse cantinho da casa.

A escada ganhou um toque natalino ainda mais fofo com canecas recheadas de enfeites de Natal. Eu colocaria bombons para a alegria geral dos convidados.

Cartolina colorida, tesoura, linha e cola. Duvido que você não tenha em casa ou não encontre em qualquer papelaria.

Essas toalhas são fantásticas. Não precisa de mais nada no
lavabo para receber elogios das visitas. Essas eu encontrei
no blog Decorassento.

Apaixonados por livros merecem essa árvore de Natal em casa.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Quando o livro perde o encanto

Certo dia, ganhei um livro de um amigo. A capa não me atraiu, mas a sinopse me fisgou na mesma hora, fiquei encantada. Li e reli a sinopse várias vezes, porque realmente era sensacional. Fui, então, passeando pelas outras páginas, claro, afinal era um livro que aparentava ter muito conteúdo. E realmente tinha. 

Cada página ia me encantando cada vez mais, prendia minha atenção por horas. Eu viajava naquelas palavras que faziam tanto sentido. Era a minha história sendo contada por outra pessoa que nunca tinha me visto. Isso já aconteceu com você? Creio que sim. Pois fiz uma busca do que falavam sobre esse livro e os comentários eram basicamente os mesmos: a autora retratava exatamente a vida daquelas pessoas, como descrevia os meus sentimentos com a perfeição de quem me conhece de longa data. Mas eu nunca tinha sido apresentada a ela. Provavelmente, nem aquelas outras pessoas que comentaram tão bem sobre a obra. Então, como isso podia acontecer? Será que a minha vida era tão ridiculamente comum a ponto de uma escritora qualquer publicar um livro e centenas de milhares de leitores se identificarem também?

Estava cada vez mais apaixonada por aquela escritora que eu nunca tinha visto. Minha admiração era tamanha que eu dividiria minha casa com ela, afinal, me conhecia tão bem, mesmo nunca tendo trocado uma palavra comigo. Que mal teria de compartilhar um tempo com uma estranha?!

Fui passando da metade do livro, descobrindo um pouco mais sobre a autora, até que um dia o encanto acabou. Não que a obra fosse ruim. Pelo contrário. Continuava incrível. Mas eu havia brigado com aquele amigo que me deu o tal livro. Ele está lá, num canto da minha casa que mal recebe minha atenção. Nunca cheguei ao final dele, pois a simples continuação da leitura me levaria a recordações de uma relação que não tem mais como existir. Quem sabe um dia ele não cai da estante, aberto na exata página que eu deixei de lado, me convidando (novamente) a uma leitura; a leitura da minha própria vida. Por enquanto, não tenho coragem de seguir com ela. Uma pena! Porque o enredo era incrível e tinha tudo para me fascinar ainda mais.