segunda-feira, 8 de junho de 2015

Esticando o salário

Que o brasileiro sempre foi criativo e feliz por natureza, todo mundo sabe. Mas a situação, em pleno século XXI, tá tensa, tá feia. E não é só pra mim. O salário mal chega à conta e já acha que é hora de dar tchau. Muitas vezes, enrolo para pagar as contas só para ter o prazer de tê-lo comigo por mais alguns dias.

Está tudo caro. Não consigo reduzir a conta de energia, por mais que economize. Tem alguma coisa errada. Cada vez que vou ao mercado sinto dó das famílias que vivem com um salário mínimo. Como pagar luz, água, aluguel e ainda sobrar dinheiro para comer com isso? Me explica!

Ok, mercado está caro, a vida está cara, mas o que podemos fazer para continuar vivendo com um pingo de vida social? Bom, se você é igual a mim e preza por descanso e horas de lazer não vai querer ter mais um emprego e nem mesmo pegar um freela. Afinal, de que adianta ter grana se não tem tempo para gastar essa grana?!

Uma coisa que percebi, senti fundo no meu coração, é que compro mesmo sem precisar e o culpado é o cartão de crédito. Já está determinado: cartão agora fica em casa. Foi expulso da carteira. Gente, quando queremos e não temos dinheiro recorremos a ele. Está ali, fácil, sempre à mão. Agora não! E resista igual a mim quando o vendedor de qualquer loja de departamentos te oferecer um cartão. "Mas é sem anuidade". Não importa! O melhor é concentrar tudo num cartão só para não se perder no meio de tantas faturas depois. 

Outra coisa que complica a situação: e-mail marketing. O danado tem o poder de me fazer desejar até o que não tem nada a ver comigo. Sendo assim, tire algumas horas do seu dia para se descadastrar de listas que, muitas vezes, você nem autorizou. E se não quiser perder esse tempo e for usuária do Gmail, classifica tudo como spam. Vai direto para o lixo eletrônico. Faça a mesma limpa no Facebook. Pois é. Têm fanpages que vivem de vendas; ficam mostrando aquelas belezuras que você compraria 15 vezes mais barato se não fosse por ali, naquela loja que se a acha a tal só porque tem alguns milhares de seguidores.

Sabe TV por assinatura? Corta da tua vida. Porque ainda que você seja vidrado em séries e filmes, vamos combinar que a Netflix sai muito mais em conta (e você, raramente, consegue assistir a um filme desde o início pela TV).

A parte da vida social vai precisar de alguns ajustes até a sua conta ver a cor azul por um mês inteiro. Sendo assim, boate, barzinho... isso não te pertence mais. Pois, ainda que fique só no refrigerante, uma noite inteira de refri custa caro. Faça a bagunça em casa mesmo. No lugar do cinema, escolha um filme (da Netflix) e faça um balde de pipoca. Ou, se preferir algo mais agitado, prepara uma playlist, compra umas batatinhas, pede para um amigo levar a bebida, para o outro levar cachorro quente e outra pessoa levar um docinho para colocar glicose nos na veia nos momentos necessários. Pronto! A festa está armada. Não quer fazer zona na sua casa? Faça a bagunça na casa de um amigo que não ligue muito para isso.

Ai! Mas eu preciso ir para a rua! Ok. Vá à praia, ao parque, à lagoa ou vá fazer uma trilha. São programas praticamente 0800 se você levar água e comida de casa. Para quem é mais cult, centros culturais sempre têm programações bacanas de graça. Aproveite!

Mas nada adiantará se você não tiver a real dimensão das suas contas e não viver de acordo com seu padrão financeiro. Vejo amigos que vivem totalmente fora de suas realidades. Fazem cursos que poderiam esperar, saem três, quatro vezes por semana para boates e gastam rios em bebidas. Depois comentam que a vida está difícil, que não pagou o condomínio, a luz vive com aviso de corte... Não estou dizendo para anotar cada bala que comprar (gente! Isso é impossível e ridículo). Mas anote as contas fixas e as parcelas que já estiverem no seu cartão de crédito. E não esquece do transporte (estacionamento, gasolina, pedágio se você usa carro. E passagem de ônibus e metrô se você anda a pé). Coloca na ponta do lápis mesmo cada despesa e veja quanto sobra do seu salário (é com isso que você vai ter que viver). Faça isso uns 15 dias antes de receber, como uma previsão do mês seguinte. Dessa forma, você tem como prever quanto vai gastar, se vai sobrar alguma coisa para sair ou para comprar aquela bota linda que está namorando há dias na vitrine.

Agora, se não sobrar nada...está na hora de rever algumas coisas. Troca o celular para um pré-pago, vire o Batman e passe a maior parte do tempo na penumbra, reduza a velocidade da sua internet e deixe a aula de dança, teatro para quando a maré melhorar. Restaurante apenas se aceitar seu vale refeição. Manicure, escova, sobrancelhas? Faça em casa. É uma puta economia deixar o salão de beleza de lado para se cuidar no aconchego do lar. Diarista? Meu bem, coloca uma luva, pega um balde e tira um dia da semana, pelo menos, para dar aquela geral ao som de Anitta. PRE-PA-RA! 

E fica calmo! Essa maré ruim não é para sempre. Se organizando é possível fazer o salário ficar por mais de 15 dias na sua conta. Depois que conseguir isso, você estará tão habituado (esperamos) a economizar que não será um sacrifício controlar os gastos. Só tome cuidado para não ficar neurótico, dividindo até os centavos da conta do bar na hora de rachar com os amigos. É feio. =S

Crédito: R7





Nenhum comentário:

Postar um comentário