quarta-feira, 13 de maio de 2015

Sobre amor (bem) platônico

Sabe o Ivan Martins? Aquele jornalista, que tem uma coluna semanal na revista Época. Aquele que escreve sobre relacionamentos. Aquele que tem alma feminina enclausurada num corpo masculino. Ok. Entra no site da Época e procura as crônicas dele. Você vai amar.

Mas por que eu estou falando dele? Porque sou apaixonada por esse homem. Tipo amor platônico, mas que faz um bem... O Ivan é o tipo de cara que toda mulher quer ao lado como melhor amigo (no mínimo). E eu tive o prazer de conhecê-lo pessoalmente, passar horas ao lado dele. Há exatamente um mês fui convidada para participar da plateia do programa Encontro, da Fátima Bernardes. Não curto essas coisas, mas o convite veio de uma produtora que me achou por ser fã do Ivan. Como ele seria um dos entrevistados eu fui. =D

Sei lá como ela me encontrou, sei lá como eu fui parar na sala de convidados da Fátima. Só sei que fiquei sentadinha ao lado do meu ídolo durante umas duas horas. Conversamos, rimos, falamos até de amores, separações, manter ou não contato com o ex... Gente! Preciso dizer que foi o melhor dia da minha vida? Eu achava que ele era super desinibido, até por ser jornalista e famoso. Mas não. Aquele sotaque que mais parece do sul do Brasil (você não é paulista, Ivan?), um jeito tranquilo de falar, de gesticular (pouco), aquele sorriso tão sincero, tudo isso faz parte de uma pessoa tímida na medida. Ele tem todo um cuidado de se dirigir às pessoas e vira o rosto quando o assunto toca em alguma ferida. Ele é gente como a gente. E, muito provavelmente, ele escreve tão bem, de uma forma que toca tanto seus leitores (não apenas mulheres) porque coloca a sua alma nas linhas que publica toda quarta-feira. Diferentemente de outros escritores, ele não escreve apenas o que as pessoas querem ler; ele escreve o que ele realmente pensa, o que sente. 

Minha esperança, como a de toda fã, é ter a oportunidade de encontrá-lo mais uma, duas, três vezes; de sentarmos numa cafeteria, eu pedir um capuccino, ele um espresso, e conversarmos sobre encontros, desencontros, guerras pelo mundo, engarrafamentos, ponte aérea, amigos e amores. Quem sabe um dia... Por enquanto, converso com ele todas as noites durante o meu sono para ele ter subsídio para suas crônicas e seus livros. ;)

Foto com o ídolo, livro autografado. Quero mais o quê?

4 comentários:

  1. Relatos de uma fâ. rs E olha o sorriso de felicidade dela... Mas concordo com você. Ele é 10. Conheço pouco, mas o suficiente pra concordar com tudo o que você descreveu. Que você tenha uma, duas, várias oportunidades de prosear com ele novamente. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é 1000, Geisa. Acompanhe a coluna dele às quartas pelo site e você não irá se arrepender. =) Depois volta aqui pra contar o que achou das outras crônicas. E que os anjos digam amém para o café. hehehehe

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Vou acompanhar sim. Já curti o "FOFO" e quero o livro :D hehehe

    ResponderExcluir