segunda-feira, 13 de abril de 2015

Invasão de privacidade

O assunto de hoje é sugestão de um amigo, que passa pelo probleminha, mas atire a primeira pedra aqui nos comentários se você nunca tiver passado por isso também.

Quando saímos da casa dos nossos pais logo pensamos: LIBERDADE! Mas deixar o ninho não significa exatamente estar livre dos olhares e intervenções familiares. Certo dia, meu amigo me contou que a mãe dele estava tentando empurrar uma amiga da família pra ele. De uma forma sutil, o cara tentou se esquivar, mas confessou que estava numa situação difícil. Por que os pais não entendem que estar solteiro não significa estar sozinho? E, principalmente, não significa "sofrência".

O caso desse amigo diz respeito a mãe que tenta arrumar uma namorada para o filho. Mas há casos de pais que se metem até em como o filho gasta o salário, por que chegou tarde em casa, para onde foi depois do trabalho em plena terça-feira, por que a louça está suja há dois dias na pia. "Está esperando pra ver se as baratas chegam primeiro do que você?" é o que algumas mães dizem por aí. E já nem me refiro mais a minha mãe, pois ela entendeu até onde pode entrar na minha vida. ;)

Pai, mãe, tios, avós. Todos nos amam e nos querem muito bem. Nos veem como eternas crianças. Mas é preciso impor limites. Não é porque é parente que pode entrar na sua casa sem tocar a campainha (vai que você está saindo do banho ou mesmo com o namorado). Fazer piada sobre a geladeira que parece um aquário sem vida por só ter água, beleza! Mas criticar como você gasta o dinheiro, aí não. Falar que o vizinho é um gatinho e vocês formam um belo casal até vai. Dizer isso pra ele ou jogar piada quando ele estiver por perto (ou pior: falar do quanto o vizinho é gato, bem de vida e gentil perto do seu amigo colorido) é muita invasão de espaço. Vamos delimitar melhor isso e o amor, certamente, vai chegar ao Natal. 

Como dar limites? Penso que se a tal cara feia na hora não intimida, uma boa conversa, então, pode ajudar. Convide para um café da tarde naquele fim de semana que vocês nem iriam se ver e introduza a questão. Não minta, não seja grosseiro, mas se imponha. Minha casa, meu salário, minha vida. Se eu quebrar a cara remendo e saio por aí sorrindo novamente. Afinal, qual criança nunca caiu ao tentar andar sozinha? ;)

2 comentários: