sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Antes de casar é bom conversar

Como prometi, hoje tem mais um post sobre vida de casada.

Acredito que o melhor seja começar contando como isso aconteceu, afinal é uma decisão difícil de se tomar.

Até o fim de 2013 eu estava noiva, pronta para juntar as escovas de dentes com uma pessoa que estava comigo há 7 anos, mas... A vida decidiu que não seria com ele. Nos separamos e alguns meses depois, mais precisamente cinco meses após, surgiu uma pessoa muito especial. Como ele estava de mudança para outro Estado quando começamos a sair, eu perguntei se ele não queria passar as últimas semanas no Rio na minha casa. Confesso que não pensei muito; apenas falei, porque seria apenas um mês morando juntos.

Eis que ele decidiu continuar no Rio e, com isso, continuar lá em casa. Bateu medo. Na verdade, bateu desespero. Não havíamos conversado sobre ele ficar de vez no meu apê, apenas sobre o cancelamento da mudança dele para outro Estado. Desesperada, comecei a me chatear com pequenas coisas: louça na pia, roupa no varal, lixo na lixeira sem o saco... Surtei e chorei (sem demonstrar, claro). Nossa! Era uma pessoa que eu conhecia há pouco tempo dividindo o mesmo espaço que eu (acreditem, abrir mão da intimidade não é fácil). Pensei, pensei e cheguei a uma conclusão: o que estava tirando a minha paz não era o fato de ele continuar morando comigo, mas sim o jeito diferente de fazer algumas "tarefas do lar". Como resolver isso?

Convidei para um jantar (num restaurante japonês, para ficar longe do ambiente-­problema) e falei o que estava me incomodando. Gente! Foi um alívio colocar pra fora. Ele entendeu super bem e a relação (que já era boa) ficou ainda melhor.

Claro que comigo foi tudo muito rápido. Não houve o tempo que o casal precisa pra conhecer os defeitos e as qualidades do outro; não houve uma definição de regras da relação e muito menos de convívio (como eu havia feito com o anterior, nos 7 anos que passamos juntos, planejando nossa família). Mas deu certo pelo tempo que tinha que dar. No entanto, se eu tivesse que dar um conselho diria: não se prendam a muitas regras; tempo de namoro/noivado não define o sucesso de um relacionamento, mesmo assim, conversem! É muito importante conhecer o outro para saber até onde pode ir sem você invadir o espaço dele e ele o seu. Isso sim conta!

Foto retirada do Pinterest

7 comentários:

  1. Como sempre... Perfeitas descrições! Acredito que qualquer relação (com qq tempo) tem a mesma porcentagem de chances de dar certo (ou errado - é claro). O q de fato faz toda a diferença e o q o casal de fato se propõe... O CASAL!!! #TEAMO

    ResponderExcluir
  2. Eu e papai Gil partimos para morar juntos depois de 2 meses que tínhamos nos conhecidos, Conseguimos ficar juntos durante 11 anos :) mas ele ficava puto no inicio quando eu apartava a pasta de dente dele no meio do tubo kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk mas esses 11 anos valeram a pena.

    ResponderExcluir
  3. gente, desculpe os erros na digitação, estou trabalhando e tenho que comentar rapidinho, sabe como é, o chefe não pode ver que estou saindo do foco.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  4. agora que aprendi a comentar não vou querer outra vida kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, manda mais filha kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  5. Olá, não conhecia o blog e já de cara gostei.
    Realmente foi a melhor coisa que fez, chegar e falar na lata o que te incomoda e seu companheiro muito fofo que entendeu logo de cara. Pois estou cercadas que amigas que estão cansadas de conversar e deixar recados e nada acontece. Acho que alguns maridos acham, que estão casando com uma mãe.. hahaha
    Adorei!
    Beijos
    www.decorarepreciso.com.br/blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Decorar é preciso. Obrigada.
      No início foi complicado, não sabia como dizer o que me incomodava com medo de ser grosseira, mas só de sair de casa pra conversar foi ótimo, porque ficamos longe do "problema". E falar deu uma leveza na relação. Avisa pras suas amigas que os maridos delas podem nem saber que estão vacilando. É sério! Homem não se toca muito.

      Excluir
  6. A vida e suas surpresas. Não podemos ter medo de ser feliz =)

    ResponderExcluir