quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

'Tão nova e já mora sozinha?!'

Apesar de já ter escutado isso mais vezes do que li "pau de selfie" essa semana no Facebook, admito que ainda me surpreendo quando me fazem essa pergunta. Isso quando não arrematam com um profundo e curioso "Mas por quêêê?". E olha, pra mim foi uma coisa tão natural morar sozinha, que tive até dificuldade em escrever sobre isso (até porque já moro há 3 anos assim, então já estou acostumada).

É sério: a dona deste blog daqui a pouco me mata se eu não entregar esse texto. Como estou com dificuldades pra desenvolver texto corrido, vou fazer no estilo Marília Gabriela. 

Então, vamos lá:

> Por que você quis morar sozinha? Pelo motivo mais básico de todos: liberdade. É ter a sensação de falar: "FODA-SE! Vou colocar calcinha girando no ventilador se eu quiser. Vou andar pelada. Vou cantar desafinada no banho, de madrugada". De chegar em casa cansada, olhar a pia, dar de ombros e ir dormir com a consciência leve (e ainda ter a vantagem de não ter ninguém brigando porque você deixou de fazer. Acreditem: essa é a melhor sensação EVER).

> Foi difícil sair de casa? Hum, não. E isso geralmente surpreende muitas pessoas. Amo meus pais, mas desde que me entendo por gente (ou seja, quando já tinha uns 4 anos de idade) que eu penso em ter meu canto, em morar sozinha. Deu um frio na barriga? POHAN! Ô, como deu! Porém, no dia que coloquei os pés no meu cafofo (sim, alugado, mas que mora no meu coração), foi uma felicidade incontrolável. Acho que passei meses rindo à toa.

> Quais são as maiores dificuldades? Vish, aí surgem várias, até porque muitas dependem da sua força de vontade. Pessoalmente, minha maior dificuldade é manter minha casa arrumada. Trabalho muito longe de onde moro (MUITO longe MESMO); logo, chego mega cansada e, na maioria das vezes, sem saco nenhum de mover sequer um dedo. Outra dificuldade é guardar dinheiro, por causa das contas a pagar, aquela vontade de comprar alguma coisa pra casa, e assim vai. Por falar nisso, essa é uma das resoluções de 2015: ser mais organizada em casa.

> Sentiu dificuldades com os afazeres de casa? Hum, não. A maioria das tarefas eu já fazia quando morava com minha mãe: aprendi a cozinhar com 10 anos (ok, foi miojo e ovo mexido, e posteriormente coisas mais elaboradas #RainhaDaGordice), colocava roupa para lavar, limpava a casa... Nada de muito diferente, não. Além disso, vou confessar: com 16 anos, fui morar sozinha na casa da minha avó, que ficava vazia. Então, já tinha que me virar, né. As diferenças cruciais (que facilitavam bastante) eram: meu pai me dava uma quantia e aí eu administrava o dinheiro e as contas, só estudava e ainda tinha uma diarista três vezes por semana. Morar "all by myself" (aí já foi com 21/22 anos) só ficou mais difícil, mas na essência é praticamente a mesma coisa :P

> E a solidão? Olha, não costuma dar muito as caras, não. Primeiro, porque sempre gostei de ficar sozinha, quieta, fazendo minha coisas. Segundo, que eu tenho a companhia dos meus dois "Ai-meldels-que-fofos" filhos felinos, Mickey (Batman/Pantera) e Blanche (Rabinho de Espanador), que estão na foto :) Bateu carência? É só agarrar os dois, ter uma crise alérgica por causa dos pêlos, falar com o namorado e tá tudo certo. Ah, brigadeiro de colher e filme da Disney/Pixar também ajudam naquelas TPM's brabas.

> Perrengues? Sim, com os IVNI - Insetos Voadores Não-Identificados. Juro, que terror. Um deles aconteceu às 3h da manhã, quando eu morava na casa da minha avó. Até hoje não sei se foi um morcego ou mariposa. Só sei que eu estava na sala, entrou uma caceta de uma sombra ENORME pela varanda e voou pro lado dos quartos. Minha reação? Me tranquei no escritório, interfonei pra portaria em pânico e dois porteiros (sim, eles eram um amores e bem pacientes) subiram para me ajudar. Só depois de verificar TUDO (até dentro do armário e embaixo das toalhas do banheiro) que fui dormir em paz. E sim, fui zoada por eles com um sonoro "Senhora, cadê o Batman?" ¬¬

Segundo caso: tinha pouco tempo morando sozinha (pra valer mesmo, na raça). Entrou algum inseto sem plano de vôo e sumiu por trás do livreiro. Minha reação? De "indo dormir", mudou para "paranóica": coloquei tanto Raid, que quase intoxiquei todo mundo; coloquei meus gatos de prontidão perto da estante e, munida de dois chinelos, uma vassoura e o Raid, fiquei sentada no meio da sala durante duas horas. E só sosseguei quando meus gatos se acalmaram (o que significou que o bicho parou de se mexer/morreu). E sim, pra dormir tranquila, coloquei uma toalha no vão da porta do quarto para evitar que o "zumbi" me pegasse desprevenida na hora do sono.

Bom, acho que já deu, né? Pra quem tava com dificuldade, falei pra cacete.

Mesmo com todos os perrengues, vale muito a pena morar sozinha :D #FicaDica

Bjo, galera :*

Texto escrito por Aurora Luisa Cabral. Sim, a pessoa que fez o design deste blog.


Os filhotes de Aurora

Nenhum comentário:

Postar um comentário