quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Caixinha de surpresas

Ah… por onde começar? Gente, sabe a expressão "A vida é uma caixinha de surpresas"? Isso não poderia ser mais verdade. Nossa! Tem quase um ano que escrevi na seção "Ops! Cresci" (antigo blog dessa minha amiga blogueira) e de lá pra cá como minha vida mudou em tão pouquíssimo tempo!

Eu estava com aquela vidinha mais ou menos, ia casar com o namorado que estava comigo há sete anos, tudo ia nos conformes... Morávamos juntos, tínhamos nossa rotina e íamos oficializar tudo na presença da família e dos amigos. Até que a vida deu um mortal carpado duplo com direito a barrel roll e tudo. Perdi! Não, não gosto de dizer que perdi, pois nessa experiência eu só ganhei. Mas de uma tacada só saíram de minha vida o noivo e a (ex) melhor amiga. Fácil, né? Pois é. 

A casa que morávamos era do meu pai, então fui pra casa da minha mãe esperando ele arrumar outro lugar para ficar. Essas duas semanas foram difíceis. Voltar para a casa dos pais não é fácil. Você está acostumado ao SEU espaço, com o SEU horário e, de repente, eu era visita, atrapalhando a rotina deles. Minha irmã havia pego meu quarto, então eu estava dormindo em um colchão no quarto de visitas (tenso). Minha mãe perguntava se eu ia levar um casaco mais quente toda vez que ia pro trabalho; minha irmã ficava com a luz do quarto acesa até tarde e eu não conseguia dormir direito. Só pensava em voltar pra casa. Mas que casa? Vazia? 

A Realidade mudou completamente de figura e eu só pensava em como eu ia bancar sozinha uma casa de três quartos em um bairro bom. Não tinha como. Era inviável. Precisava de um colega de quarto ASAP. Aí sim você cresce. Aí sim você precisa sacudir a poeira e se virar nos 30. Correr para colocar TODAS as contas no seu nome, avisar à administração do condomínio que a dona da casa é você. A responsabilidade é toda SUA. E até que é bom. 

Encontrei duas pessoas incríveis para dividir a minha casinha. Não podiam ser pessoas melhores. Elas se tornaram meu porto seguro, minhas confidentes que aturam minhas neutras e crises. (risos, muitos risos). 

Como tinha dito no texto anterior (do Ops! Cresci), não gosto de finais. Gosto de começos, e esse é um começo completamente novo para mim. Momento de me conhecer de novo, saber do que eu gosto, de arrumar a casa como eu quero, gastar o meu dinheiro como eu bem entendo (sem ninguém se metendo) Não dá pra dizer que tudo foi fácil, pois não foi MESMO. Tive que fazer sacrifícios, tive que descobrir uma nova Bell. (Re) aprender a ficar sozinha não é fácil depois de sete anos, acreditem. Mas é bom poder sair com suas amigas sem dar satisfação pra ninguém, conhecer pessoas novas, novos amores… 

Agora é esperar para ver o que mais a vida me reserva. Estou empolgada. Ah, essa caixinha de surpresas...


Texto escrito por Bell Serra.


As várias faces de Bell Serra

Nenhum comentário:

Postar um comentário