quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

A primeira vitória sobre a barata

Genteeeem, preciso compartilhar com vocês a alegria imensa que é matar uma barata. Me senti gente grande. Que me perdoem os defensores ortodoxos dos animais, porém barata pode, ainda mais quando a pessoa morre de medo desse bichinho.

A história é a seguinte: estava eu sentada à mesa na cozinha, lendo um site interessantíssimo sobre decoração, quando surge ela: a temida barata. Na hora fiquei sem saber o que fazer, pois morava num apê em Brasília com duas meninas que também têm pânico desse bicho. Gritei a Isa (única que estava em casa e tomando banho), mas foi em vão. Pensei comigo: "Se eu não matar, ninguém o fará. E ela ficará viva, andando pela casa; pode até entrar no meu quarto". Então fui na ponta do pé até onde ficava a vassoura e POOOOW! Dei o primeiro golpe. Fato que ela morreu ali. Mas pra ficar "bem morta" bati mais umas 500 vezes. Não sei como não quebrei a vassoura (ou o piso).

Essa é uma desvantagem de morar sozinha (ou dividir apê com quem têm pavor do mesmo bicho). A quem recorrer quando surge uma barata? Vizinho? Confesso que pensei nisso, mas minha vergonha falou mais alto que o medo (rs). Agora imagina se ela fosse voadora? Senhor! Eu teria sido expulsa de casa por uma barata.

Sendo assim, dicas:
·         Tenha sempre um spray contra insetos por perto. Deixe um na lavanderia, outro no banheiro, um na sala e mais um no quarto. Melhor prevenir. Vai que ela surge num cômodo qualquer; até você correr pra pegar o spray, ela já sumiu. E pior do que ver a barata é não vê-la mais.

·         Mantenha a dedetização da casa em dia.

·         Não acumule lixo em casa. Coincidência ou não, nesse dia a lixeira da cozinha estava transbordando.

·         E por último, não menos importante, deixe uma vassoura sempre a mão. ;)

Um comentário:

  1. Já eu usei uma tática diferente. Estava sozinha quando ela apareceu no chão, perto da janela. Corri para ver se achava algum inseticida na cozinha. Em vão. Quando voltei à sala, ela não estava mais à vista (realmente pior do ver uma barata é perdê-la de vista). Imaginei que ela tivesse voado, que poderia estar indo a outro cômoda da casa, como meu quarto. Ah, se ela entrasse no quarto eu com certeza dormiria na sala. Mas ela estava se esgueirando pela parede, atrás do rack da TV. Não tinha como bater com a vassoura e pensei só em jogar álcool gel e riscar um fósforo (eu sei que seria arriscado, mas foi o que pensei). Mantive distância segura, porque não sabia qual seria a reação da barata, e esguichei um jato de álcool gel na nojenta. Coitada, acho que agonizou por uns minutos. Não foi preciso usar o fósforo (ainda bem) e, para garantir que estava morta, deixei a defunta por uma noite lá, e só joguei o corpo fora no dia seguinte.

    Quando uma outra apareceu no banheiro (na hora do meu banho), já sabia como agir e foi mais tranquilo, apesar dessa ter resistido um pouco mais. Minha amiga paulista deu outra dica: usar desodorante aerosol ou perfume. Mas acho que é melhor mesmo ter um inseticida sempre à mão.

    ResponderExcluir