segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Vivendo em república

Galerinha do bem, sair de casa é uma grande decisão, porém sair de casa pra morar com amigos é uma decisão que precisa ser ainda mais trabalhada.

Eu já disse aqui sobre os prós e contras de morar "sozinho" (entre aspas mesmo porque você pode optar por uma república), mas preciso compartilhar com vocês minha experiência quando me vi obrigada a dividir um apê.

Quando a gente decide morar sozinha, beleza! O apê é nosso, as regras são nossas. Mas quando o imóvel é dividido...xiiii! Cada pessoa é de um jeito, cada uma tem suas manias. Se já é difícil morar com a família, que a gente ama, imagina com um estranho.

Minha temporada em Brasília me forçou a isso. Passei longos quatro meses num apê com mais duas meninas e meia (a meia era a dona do imóvel e não morava lá, mas vivia criando regras e dando palpite na rotina da casa. Vai ver que era uma tentativa frustrada de ser mãe - de gente grande). Uma era mais nova e se esquecia de cumprir algumas rotinas da casa, como deixar a máquina de lavar sempre livre logo após o uso, retirar o lixo no seu dia, comprar algo de uso comum que tenha acabado, como papel higiênico. Ok. Somos muito amigas até hoje, então eu não me importava com isso.

A outra, quase da minha idade, veio com um discurso lindo de limpeza e organização no dia da minha mudança. Mas logo percebi que era historinha. Deixava a pia suja com resto de comida, panelas no fogão durante dias, se esquecia de levar o lixo pra fora etc. etc. etc.

Gente, eu sei que são coisas bobas, mas básicas pra um bom convívio. Afinal, para quem não gosta de sujeira é difícil se acostumar com uma lixeira sempre transbordando ou uma pia repleta de louça.

Por isso, pense muito bem antes de tomar a decisão de dividir um apê. No início dessa experiência eu estava até gostando e pensava em dividir meu apê com uma amiga quando voltasse pra minha cidade. A ideia de ter sempre uma amiga querida por perto pros desabafos e pras festinhas era muito convidativa. Mas foram só esses detalhes começarem a se tornar frequentes pra minha empolgação acabar.

Percebi que eu não sou pra morar em república. Tem quem goste de dividir banheiro, cozinha, TV etc. com outras pessoas. Por uma semana pode até ser legal. Pra sempre, garanto que não. Em algum momento, você vai acabar sentindo que estão invadindo o seu espaço. Sabe quando você quer assistir aquele programa que está esperando a semana toda e na hora vem o coleguinha e senta na frente da TV pra ver outro canal? E quando você quer fazer feijão e a panela de pressão está suja há dois dias porque o último a usar esqueceu de lavá-la? Imagina acordar atrasado pro trabalho (ou faculdade) e encontrar o banheiro (único da casa) ocupado. Putz!

Mas claro que tem o lado bom de morar em república. Vamos à listinha:

  • O aluguel é mais barato (cerca de R$ 400 pra um quarto de empregada e uns R$ 800 pra um quarto normal).
  • O imóvel já está mobiliado (menos uma dívida).
  • Nunca estará totalmente sozinho.
  • Divisão das tarefas domésticas.
  • Divisão das despesas da casa.
  • E, principalmente, festinhas frequentes.

Apesar da parte boa, prefiro ter o meu canto e receber os amigos em momentos oportunos. Meu apê, minhas coisas, minhas regras. E, assim, a amizade continua e vivemos todos felizes para sempre. ;)

Bagunça na hora certa

Um comentário:

  1. Concordo contigo! Realmente convivência dentro do mesmo ambiente com pessoas desconhecidas é mesmo muito difícil. Vieram de criações e hábitos diferentes do nosso. E ter que dividir tudo. Bem isso para mim não é legal. Já é difícil conviver com pessoas que AMAMOS desde o nascimento, imagina com outras que mal conhecemos. Eu vim de uma família enorme como sabe. Nossa casa estava sempre muito cheia. Pai, mãe, avós maternos e sete irmãs.. Já pode imaginar como era difícil ter privacidade. E todas nós tínhamos tarefas a cumprir. A cada semana havia um rodízio destas tarefas. Quando chegava a minha vez de fazer a faxina ou passar roupas... Cruzes eu quase pirava na batatinha... Corria para fazer a troca com aquela que tinha ficado com a tarefa de fazer a comida e limpar a cozinha... Pois se tem uma coisa que gosto de fazer dentro de casa é COZINHAR, as outras tarefas detesto. Quando casei ficou mais fácil. Mesmo ele sendo uma pessoa criada de forma diferente da minha, o sentimento que nos uniu sempre foi mais forte e está dando certo até hoje. É como disse no início quando há AMOR tudo se torna mais leve e tolerável. Até as manias se tornam inexistentes. Agora se ainda não encontrou esta pessoa para dividir seu espaço. Continue assim porque nada se compara em ter um cantinho só nosso, onde possamos fazer o que quisermos sem ter a obrigação de fazê-lo para cumprir regrinhas... Um saco! Eu posso afirmar que sou uma mulher muito FELIZ vivendo minha vida de forma saudável, equilibrada, com respeito ao lado da única pessoa que sempre desejei e com os filhos maravilhosos que me foram emprestados por DEUS. Viva a vida da forma que escolher, tendo plena certeza de que o mais importante é se sentir e se fazer muito FELIZ sempre. Beijos.

    ResponderExcluir