quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

Aventura na cozinha - Macarrão a la Norma

Segue a aventura! Aproveitando uma semaninha tranquila no trabalho para testar as receitas que minha colega Steph gentilmente compilou para mim num livreto. Tudo para me ajudar a alcançar a meta: tirar a carne de frango do meu prato até o fim deste semestre (mamíferos já foram banidos). 

Esta semana foi a vez do macarrão a la norma. Esperava outra aparência do molho. Não sei se errei ou se eu tenho em mente um molho mais pastoso, sem pedacinhos. O que importa é que ficou gostoso (e até bonito; apenas diferente). 

E antes que vejam a receita original e as fotos e reparem nos tomates distintos, já aviso que eu sou o tipo de pessoa que reaproveita coisas. Preciso de tomates e tenho tomate cereja prestes a morrer? Ele vai se juntar ao tomate italiano sim. Nada de desperdício num país onde milhões ainda passam fome. 

Este prato foi super rápido de fazer. E como podem ver, rendeu bastante, mesmo eu cortando pela metade os ingredientes. Mas vamos ao que interessa!

Macarrão a la Norma

INGREDIENTES:

  • 1 ricota fresca amassada (usei apenas metade, porque era somente para mim. Mesmo assim rendeu bastante molho a ponto de dividir com a vizinha)
  • 1 berinjela picada em cubos (usei uma inteira porque era pequena)
  • ½ cebola picada (mais uma vez usei cebola roxa porque é a minha favorita)
  • 3 tomates picados sem pele e sem sementes (use tomate italiano e o restante de tomate cereja. Era o que tinha e desperdício não pode acontecer)
  • passata de tomate ou 1 lata de tomate pelatti (usei metade do vidro da passata)
  • ½ xícara de alho-poró picado
  • 1 colher de chá de pimenta calabresa (ficou de fora porque não encontrei na vendinha)
  • 2 dentes de alho picados
  • manjericão picado a gosto (como é a gosto - e eu não tinha - ingrediente dispensado)
  • 1 colher de tomilho (ficou de fora porque não encontrei)
  • sal e pimenta-do-reino a gosto
  • azeite 

BORA FAZER!

Antes de começar, deixe a berinjela picada em uma tigela com água e sal. Isso ajuda a tirar um pouco do amargor da casca.

Refogue a cebola no azeite (se quiser, pode colocar um pouco de manteiga, mas não deixe de colocar o azeite para a manteiga não queimar) com um pouco de sal e com a pimenta calabresa e o tomilho. Acrescente o alho, o alho-poró e os tomates. Escorra a água das berinjelas e as adicione à panela. Em seguida, junte a ricota. Misture bem. Coloque a passata ou os tomates pelattis (após passar rapidamente pelo liquidificador ou pelo
processador para não ficarem pedacinhos), deixe cozinhar por uns 5 minutos. Verifique se as berinjelas já estão macias, ajuste o tempero (se precisar, coloque um pouco de açúcar no molho para corrigir a acidez, mas só se precisar mesmo), desligue o fogo e misture o manjericão. 

Sirva com massas de qualquer tipo, mas a regra continua valendo: se tiver deixado seu molho mais encorpado, prefira massas longas (espaguete, fetuccine etc). Se tiver ficado mais líquido, opte por massas curtas (penne, fusili etc).





sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021

Casa com gato

Aproveitando que nesta semana foi comemorado o Dia Mundial do Dato (17 de fevereiro) trago uma reflexão sobre os bichanos. Ter ou não ter? 

A pandemia fez muitas pessoas cogitarem adotar um bichinho devido à solidão durante o isolamento. Solteiros geralmente pensam em gatos tendo como argumento que são animais independentes (e, consequentemente, os tutores não precisariam abandonar a rotina de baladas e viagens). Doce ilusão!

Eu não curtia gatos, achava-os ariscos e abusados subindo em móveis que os cães, claramente, entendem que não podem. Mas me apaixonei por uma que morava numa loja onde as minhas cachorras eram tosadas. Levei aquela bola de pêlo para casa e minha vida mudou completamente. Primeiro porque precisei telar todo o apartamento (e isso era um dos motivos que me fazia torcer o nariz para os gatos) e depois porque me apaixonei pelos felinos.

Eles são bem independentes, mas isso não significa que não gostem de carinho e interação. Passei uma semana longe de casa e a Mia surtou. Mesmo com um amigo aparecendo todos os dias para cuidar da Mia, ela ficou triste, com uma miado choroso perto da porta de entrada. Ela estava me chamando, sentindo-se abandonada (eu a via pela câmera de monitoramento). Coração partido, decidi que nunca mais deixo ela em casa sozinha. Gatos sentem falta sim! Ela adora brincar (tudo bem que é de madrugada, mas ela me chama para brincar); gosta de atenção, de colo, de cafuné. E para piorar, gatos têm mais dificuldade de adaptação. Isso significa que carregar o bichano nas viagens ou para hospedagens felinas não é uma boa ideia (para ele, claro).

Além disso, você consegue dar remédio para gato? É a cena do capeta encarnando. Rezar para ele não ficar doente, não significa que o cara lá de cima vai te atender. Então, pensa bem! 

Resumindo: gatos são animais adoráveis, super limpos, metódicos, carinhosos, brincalhões, mas também estressantes (na hora da medicação) e dependentes. Sim, eles precisam de muito mais que água corrente, comida fresca e caixa de areia limpa. Eles precisam de carinho e de atenção, e não é apenas algumas vezes por semana. Precisam (e pedem) todos os dias. Você está preparado (a) para abrir mão de algumas viagens e baladas noturnas? 

Não é apenas um bicho, um mascote. É uma vida. Pense (muito) bem antes de levar um animal para sua vida.





terça-feira, 16 de fevereiro de 2021

Aventura na cozinha - Tomate recheado

Quatro dias após testar pela primeira vez meus dotes culinários vegetarianos volto aqui para dizer que mais uma tentativa foi realizada com sucesso. APLAUSOS!

A receita da vez foi tomate recheado. Como sempre, dei o meu toque especial por falta de ingrediente e/ou habilidade mesmo. Mas sim, ficou divino, sem erros. Vamos ao que interessa! E, mais uma vez, minhas observações estarão destacadas em amarelo ao lado da receita original lindamente organizada em um livreto pela minha colega de trabalho Steph. =)

Ah! Mas se você chegou nesta página sem saber do que estou falando, clique aqui para ver o que desencadeou esta e outras receitas rumo a uma vida sem carne. 

Tomates recheados com ricota

INGREDIENTES:

  • 2 tomates grandes. Corte o topo e retire as sementes, mantendo-os inteiros (usei apenas um tomate por puro medo de ficar uma caquinha e eu jogar fora dois tomates. Além disso, optei pelo tomate italiano. Dizem que é menos ácido - e eu acredito)
  • ½ ricota fresca (usei 1/4 já que a receita original era para 2 tomates)
  • caldo de ½ limão (limão não se desperdiça. E como era pequeno, usei um inteiro. Sou tarada em limão)
  • sal, pimenta a gosto
  • azeite
  • castanha de caju picada
  • 2 colheres de farinha panko ou de rosca
  • 1 dente de alho amassado com sal
  • orégano a gosto (como é a gosto - e eu não gosto - ingrediente dispensado)
  • 1 colher de queijo ralado
  • salsinha picada (adoro, mas não tinha em casa)

OBS: Apesar da receita não especificar o tamanho da colherada, usei a de sopa e não me arrependo.

BORA FAZER!

Deixe o forno aquecendo em temperatura média (cerca de 200 graus). Passe um pouco de sal dentro dos tomates. Isso vai ajudá-los a soltar um pouco de água antes de receber o recheio e a temperar também. Enquanto o sal age, faça o recheio. Amasse a ricota (pode ser com um garfo ou com a mão, ou ainda passando no processador ou liquidificador), adicionando o sal, pimenta, orégano, limão, azeite e a castanha. Ele vai ficar meio pastoso (quando tem restos de cream cheese em casa, eu coloco também uma colherada no recheio para ajudar a deixar na textura pastosa). Reserve!

Em outra tigela, misture o alho amassado com a farinha de rosca ou farinha panko, mais orégano, queijo ralado e salsinha. Para montar, primeiro veja se os tomates soltaram água no fundo. Se sim, escorra. Coloque o recheio com o auxílio de uma colher até sobrar um ou dois dedinhos da borda. Nesse espaço, você coloca a farofinha com alho. Repita o processo no outro tomate. Regue com azeite e leve ao forno por uns 15 min. Fica ótimo com salada de folhas verdes e batatas, ou com brócolis refogado no alho.



Eu já tinha uma salada pronta no pote. Foi só colocar no prato e regar com o molho mais prático de fazer (mostarda e mel)


Sobrou bastante recheio e farofinha.
Guardei tudo na geladeira e no dia seguinte repeti a dose sem a salada.
Isso ao lado do tomate é o próprio recheio. Viu como sobrou bastante?!